Mudanças do clima: as previsões do IPCC para a América do Sul

Entre as projeções do órgão da ONU para a região estão o avanço da seca no Nordeste, na Amazônia e no Centro-Oeste. Mudanças afetarão vários setores, incluindo a agricultura.

Por: Lucas Sampaio, G1

Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) publicado nesta segunda-feira (9) conclui que os seres humanos são responsáveis por um aumento de 1,07°C na temperatura do planeta.

É a primeira vez que o IPCC – um órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) – quantifica a responsabilidade das ações humanas no aumento da temperatura na Terra. As conclusões estão no documento “Climate Change 2021: The Physical Science Basis”.

 

Relatório da ONU aponta ação humana no aquecimento global

Relatório da ONU aponta ação humana no aquecimento global

Os pesquisadores também fizeram previsões regionais, de qual será o impacto das mudanças no clima. Entre as projeções para a América do Sul estão:

  • Crescimento na duração das secas no Nordeste brasileiro;
  • Aumento no número de dias secos e na frequência das secas no norte da Amazônia brasileira;
  • Número de dias com temperaturas máximas superiores a 35°C na Amazônia aumentarão em no mínimo 60 dias por ano até o final do século (podendo passar de 150 dias em um cenário mais extremo);
  • Mudança no regime das monções no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste, com atraso nas chuvas torrenciais;
  • Crescimento de secas agrícolas e ecológicas no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste se a temperatura global aumentar em 2°C ou mais;
  • Crescimento da seca, da aridez e/ou das queimadas no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste. Mudanças afetarão uma ampla gama de setores, incluindo a agricultura;

Veja as principais projeções do IPCC para a América Central e do Sul e, mais abaixo, os detalhes para cada uma das sub-regiões:

Conclusões para toda a região

Temperaturas:

  • Alta confiança de que as temperaturas médias provavelmente aumentaram em todas as sub-regiões e continuarão a aumentar a taxas maiores do que a média global.
Impacto das mudanças na América do Sul: as projeções do IPCC — Foto: Editoria de Arte/G1

Impacto das mudanças na América do Sul: as projeções do IPCC — Foto: Editoria de Arte/G1

Chuvas:

  • Alta confiança de mudanças na precipitação média: aumento das chuvas no Noroeste da América do Sul (ColômbiaPeru Equador) e no Sudeste da região (UruguaiParaguai e parte de Argentina Brasil);
  • Média confiança de mudanças na precipitação média: redução nas chuvas no Nordeste da América do Sul (Nordeste do Brasil) e Sudoeste da região (Chile e sul do Peru).

 

Oceanos:

  • O nível relativo do mar no Atlântico Sul e no Atlântico Norte cresceu nas últimas três décadas a uma taxa mais alta do que a média global. No Pacífico Leste, o crescimento ficou abaixo da média global;
  • É extremamente provável que o aumento relativo do nível do mar continue nos oceanos ao redor da América Central e do Sul, contribuindo para o aumento das inundações costeiras em áreas baixas e recuo da costa em partes arenosas;
  • Alta confiança de que as ondas de calor marítimas devem aumentar em toda a região ao longo do século 21.

 

Conclusões para as sub-regiões

ARTE: América do Sul e o impacto das mudanças climáticas, segundo o IPCC — Foto: Editoria de Arte/G1

ARTE: América do Sul e o impacto das mudanças climáticas, segundo o IPCC — Foto: Editoria de Arte/G1

Nordeste da América do Sul (NES) – Nordeste brasileiro:

  • Alta confiança de que haverá um aumento dominante na duração da seca;
  • Confiança média de que aumentarão a intensidade e frequência das precipitações extremas, além de inundações causadas pela chuvas, se a temperatura global aumentar em 2°C ou mais.

Norte da América do Sul (NSA) – Norte da Amazônia brasileira, Leste da Colômbia e VenezuelaGuianaSuriname Guiana Francesa:

  • Alta confiança em um aumento dominante no número de dias secos e na frequência das secas;
  • Confiança média de que aumentarão a intensidade e a frequência das precipitações extremas, além das inundações causadas chuvas, se a temperatura global aumentar em 2°C ou mais.

Monções da América do Sul (SAM) – Sul da Amazônia brasileira e parte do Centro-Oeste e Bolívia:

  • Alta confiança que de as monções (chuvas torrenciais) serão atrasadas durante o século 21. Há pouca confiança de que haja mudanças nas precipitações (quantidade de chuva);
  • Alta confiança de que aumentaram secas agrícolas e ecológicas em meados do século 21 se a temperatura global aumentar em 2°C ou mais;
  • Alta confiança de que aumentarão um ou mais dos seguintes aspectos: seca, aridez e queimadas. Mudanças afetarão uma ampla gama de setores, incluindo a agricultura;
  • Alta confiança de que o número de dias com temperaturas máximas superiores a 35 °C na Amazônia aumentarão em no mínimo 60 dias por ano até o final do século 21 (podendo passar de 150 dias em um cenário mais extremo);
  • Confiança média de que aumentarão a intensidade e a frequência das precipitações extremas, além das inundações causadas chuvas, se a temperatura global aumentar em 2°C ou mais.
Barco no fundo do Rio Amazonas, em Manaus, em 26 de outubro de 2015 — Foto: REUTERS/Bruno Kelly/Reuters

Barco no fundo do Rio Amazonas, em Manaus, em 26 de outubro de 2015 — Foto: REUTERS/Bruno Kelly/Reuters

Sudeste da América do Sul (SES) – Sul, Sudeste e parte do Centro-Oeste brasileiroParaguaiUruguai e grande parte da Argentina:

  • Crescimento da precipitação média e extrema são observados desde 1960. Impulsionam essa mudança o aumento na emissão dos gases de efeito estufa e aerossóis e a redução da camada de ozônio;
  • Confiança média de que aumentarão a intensidade e a frequência das precipitações extremas, além das inundações causadas chuvas, se a temperatura global crescer 2°C ou mais.

Sul da América do Sul (SSA) – extremo Sul da Argentina e do Chile:

  • Alta confiança de aumento das secas agrícola e ecológica para meados do século 21, se a temperatura global crescer 2°C ou mais;
  • Confiança média de que aumentarão a intensidade e a frequência de precipitações extremas e inundações causadas pela chuva, se a temperatura global crescer 2°C ou mais.

Sudoeste da América do Sul (SWS) – Sul do Peru e quase todo o Chile:

  • Alta confiança de que aumentará a área sujeita a secas mais frequentes e severas;
  • Alta confiança de que aumentará o risco incêndios;
  • Alta confiança de que aumentarão um ou mais dos seguintes aspectos: seca, aridez e queimadas. Mudanças afetarão uma ampla gama de setores, incluindo a agricultura;
  • A perda de volume de geleiras e o degelo do permafrost (terra, gelo e rochas permanentemente congelados) provavelmente continuarão na Cordilheira dos Andes, causando reduções importantes no fluxo dos rios e potencialmente causando inundações de lagos glaciais.

Noroeste da América do Sul (NWS) – PeruEquador Colômbia:

  • Alta confiança de que diminuirá a quantidade de neve e gelo e aumentará a de inundações pluviais e fluviais;
  • A perda de volume de geleiras e o degelo do permafrost (terra, gelo e rochas permanentemente congelados) provavelmente continuarão na Cordilheira dos Andes, causando reduções importantes no fluxo dos rios e potencialmente causando inundações de lagos glaciais.

América Central do Sul (SCA) – Sul do México e todos os países continentais da região:

  • Confiança média de que estão aumentando a aridez e as secas agrícola e ecológica estão aumentando;
  • Confiança média de que as queimadas também aumentarão.
Enchentes, neve e calor extremo: como as mudanças climáticas afetam o planeta

Enchentes, neve e calor extremo: como as mudanças climáticas afetam o planeta

Share this:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.