Com hospitais lotados, Amazonas pode recorrer a oxigênio da Venezuela, diz empresa fornecedora

Sem oxigênio nos hospitais, Manaus vive crise sem precedentes por causa da pandemia de Covid-19, com internações batendo recordes e pacientes sendo enviados para outros estados. Chanceler da Venezuela disse que colocou oxigênio à disposição do governador do Amazonas. 'O povo do Amazonas agradece', disse Wilson Lima.

Por: Paula Paiva Paulo, G1

Principal fornecedora de oxigênio do governo do estado do Amazonas, a White Martins informou ter identificado a disponibilidade do produto em suas operações na Venezuela e que “neste momento está atuando para viabilizar a importação do produto para a região”. Sem oxigênio nos hospitais, Manaus vive uma crise sem precedentes por causa da pandemia de Covid-19, com internações batendo recordes e pacientes sendo enviados para outros estados.

À noite, o chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, disse no Twitter que colocou imediatamente oxigênio à disposição do Amazonas. Arreaza informou ter conversado com o governador Wilson Lima a pedido do presidente Nicolás Maduro. Lima respondeu, também na rede social: “O povo do Amazonas agradece”.

Segundo a empresa, a demanda de oxigênio aumentou em cinco vezes nos últimos 15 dias, alcançando um volume de 70 mil metros cúbicos diários. Esse consumo equivale a quase o triplo da capacidade de produção da unidade da White Martins em Manaus, que é de 25 mil metros cúbicos por dia.

Entre abril e maio, na primeira onda da pandemia, o pico desse consumo foi de 30 mil metros cúbicos diários.

Com a demanda elevada, no início deste ano a empresa disse ter enviado o produto com carretas e tanques de sete estados do país – isso permitiu um incremento de 22 mil metros cúbicos por dia ao do volume médio.

A fornecedora de oxigênio informou ainda que “colocou à disposição das autoridades o envio de 32 tanques criogênicos móveis que neste momento estão em São Paulo e aguardando nova mobilização para serem transportados para Manaus”.

Pará proíbe circulação de barcos de passageiros vindos do Amazonas

Pará proíbe circulação de barcos de passageiros vindos do Amazonas

Para tentar aumentar a disponibilização do oxigênio, a White Martins fez um requerimento na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) “para que a agência autorize a flexibilização temporária, em caráter excepcional, do percentual mínimo de pureza do oxigênio medicinal produzido no estado do Amazonas”.

“Dessa forma, a porcentagem mínima seria alterada para 95%”, informou a empresa em nota. Hoje, o percentual mínimo de pureza exigido é de 99%.

A empresa também disse que solicitou apoio aos governos estadual e federal. “Entre as iniciativas, estão reuniões periódicas com o Comitê de Crise do Governo do Estado do Amazonas e do Governo Federal; envio de requerimento junto à Anvisa; adaptação de equipamentos para transporte de oxigênio líquido nos aviões da Força Aérea Brasileira e solicitação formal de apoio logístico ao Ministério da Saúde”.

Pico de internações e toque de recolher

A média móvel de mortes por Covid-19 no Amazonas cresceu 183% nos últimos 7 dias. Até esta quarta-feira (13), mais de 219 mil pessoas haviam sido infectadas pela Covid em todo o estado, e mais de 5,8 mil morreram com a doença.

O número de internações pela doença em Manaus chegou a 2.221. O registro máximo desse índice era de abril do ano passado, com 2.128 internações. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, visitou o Amazonas nesta semana e afirmou que Manaus é “prioridade nacional neste momento”.

Na terça-feira (12), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou que uma nova variante do coronavírus que causa a Covid-19 foi encontrada no Amazonas. Trata-se da mesma variante que chegou ao Japão após viajantes passarem pelo estado.

O governador Wilson Lima anunciou, nesta quinta-feira (14), um decreto que proíbe a circulação de pessoas em Manaus entre 19h e 6h. Todas as atividades, exceto serviços essenciais para a vida, também estarão proibidos de abrir. A medida deve valer a partir da publicação do decreto, prevista ainda para esta quinta.

Manaus registrou 198 enterros nesta quarta e bateu recorde de sepultamentos diários pelo quarto dia consecutivo. Desse total, 87 enterros tiveram a causa declarada como Covid-19. Com aumento da demanda, a Prefeitura de Manaus ampliou horário do funcionamento dos cemitérios até as 18h.

Além disso, foram instaladas duas câmaras frigoríficas no cemitério público Nossa Senhora Aparecida, conhecido como Cemitério do Tarumã. O objetivo é manter conservados os corpos de vítimas que morrerem nos horários em que os cemitérios estão fechados.

Share this:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.