Movimento intensifica arrecadação de alimentos para famílias pescadoras afetadas pelo fenômeno de terras caídas

O Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP) está à frente da arrecadação que será destinada para a comunidade de Ipaupixuna.

Por G1 Santarém — PA

Com a aproximação do Natal, o Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP) tem se mobilizado nas comunidades de Óbidos, no oeste do Pará, com a finalidade de arrecadar alimentos e ajuda financeira para famílias de pescadores que foram afetadas pelo fenômeno de terras caídas (desabamento de terras) em setembro deste ano.

São 10 famílias da comunidade de Ipaupixuna, zona rural de Óbidos, que tentam reconstruir suas vidas após o desabamento de terras que aconteceu no dia 27 de setembro, destruindo cinco embarcações e comprometendo duas casas.

Maior fonte de renda das famílias locais, a pesca está comprometida por falta das principais ferramentas de trabalho e os atingidos temem novos episódios de desabamento das terras devido à ação das águas que causam erosões subterrâneas no solo que, após um certo tempo, se tornam grandes rupturas fazendo com que os terrenos desabem.

A pescadora aposentada Maria Santana Cerbeira de Almeida, de 63 anos, mora em Ipaupixuna desde que nasceu, e a principal fonte de renda da casa que divide com mais oito pessoas é a pesca.

Ela faz parte de uma das duas famílias que teve que desmontar sua casa e mudar para outra parte do terreno e diz que a terra ainda apresenta muitas rachaduras. No local, as residências são feitas de madeira no formato de palafitas.

“Hoje, graças a Deus, eu estou mais calma. Mas no início foi um desespero até de toda comunidade e não só meu. Meu filho, meu irmão e meu sobrinho perderam suas embarcações, um bote e um cavalo. Meu filho estava se preparando para fazer a sua própria casa e teve que ceder madeiras para mim e continuar morando comigo, fizemos no mesmo terreno sendo que em uma parte onde acho que a terra não vai cair”, contou Maria Santana.

As famílias de Ipaupixuna têm pescado coletivamente compartilhando as embarcações da comunidade. Mas quando a pesca é dividida sobra pouco para cada uma.

A pescadora paraense e integrante do MPP, Josana Pinto da Costa, tem mantido contato com as famílias desde o desabamento das terras e está se mobilizando junto a um grupo em uma arrecadação solidária de dinheiro e comida. As pessoas das comunidades dos arredores, como é o caso da Ilha do Carmo, Amador e Auerama têm sido solidárias na medida do possível. Ela reforça que a campanha precisa chegar a mais pessoas.

No mês de novembro, o MPP e as famílias iniciaram a arrecadação por conta bancária e com divulgação nas redes sociais para que a ajuda fique mais acessível às pessoas interessadas em doar.

Dados bancários para doações em dinheiro:

  • Banco do Brasil
  • Josana Pinto da Costa
  • Agência: 0256-9
  • Conta-corrente: 15797-X (para doações de outros bancos, substituir o X por 0)

Contato para doações de alimentos e outras doações:

  • Josana Pinto da Costa (pescadora e integrante do Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais) – (93) 99192-7149

Share this:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.