Brizola Neto abre crise no PSOL após homenagear ditador da Coreia do Norte

Diretório municipal do partido e lideranças, como Marcelo Freixo e Luciana Genro, se posicionaram contra 'moção de honra e louvor' apresentada pelo vereador

Uma homenagem pública prestada pelo vereador Leonel Brizola Neto (PSOL-RJ) ao ditador norte-coreano Kim Jong-Un gerou diversas reações negativas dentro de seu partido, nesta quinta-feira 12. O neto do falecido líder esquerdista Leonel Brizola apresentou, no última dia 29 de novembro, uma moção “Moção de Louvor e Reconhecimento” a Kim na Câmara Municipal da Cidade, revelada pelo jornal O Globo.

O ato foi recriminado pelo diretório municipal do PSOL no Rio, que emitiu nota afirmando não endossar a homenagem. O partido declarou que Brizola Neto promoveu uma moção individual, que “não necessita de apoio, nem votação”.

“Esta ação [de Brizola Neto] não foi construída coletivamente pela bancada e não representa a posição do partido. O líder da Coreia do Norte é acusado de inúmeras violações de direitos, dentre elas, perseguições políticas, prisões arbitrárias e restrições às liberdades de expressão e de imprensa. O PSOL reafirma seu compromisso na defesa da democracia e dos direitos humanos”, expõe a nota do diretório carioca da sigla.

Grandes lideranças do partido seguiram a mesma linha de reprovação. “Respeito muito o vereador Leonel Brizola e o trabalho importante que ele realiza no Rio. Sua homenagem ao ditador norte-coreano foi uma manifestação individual, da qual eu discordo. Me oponho a todas as ditaduras porque a democracia é para mim um princípio inegociável”, escreveu o deputado federal Marcelo Freixo, pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro em 2020.

Marcelo Freixo

@MarceloFreixo

Respeito muito o vereador Leonel Brizola e o trabalho importante que ele realiza no Rio. Sua homenagem ao ditador norte-coreano foi uma manifestação individual, da qual eu discordo. Me oponho a todas as ditaduras porque a democracia é para mim um princípio inegociável.

1.572 pessoas estão falando sobre isso

“Discordo frontalmente da homenagem feita por Brizola Neto ao ditador da Coreia do Norte. Não representa a maioria do PSOL. Só uma esquerda fora da realidade apoia esse regime. Ali não tem nada de comunismo nos termos pensados por Marx. Nossa luta é por socialismo e liberdade!”, expressou a deputada federal Luciano Genro, candidata à Presidência da República pelo partido nas eleições de 2014.

Os deputados federais Sâmia Bonfim e David Miranda foram outros nomes de destaque do partido se posicionarem, nas redes sociais, contrários à medida de Brizola Neto. “Não há socialismo possível com violação de direitos humanos e sem liberdade”, escreveu Sâmia no Twitter. Compartilhando a postagem, Miranda concordou: “não representa a opinião do partido”,

David Miranda

@davidmirandario

Concordo: a Coreia do Norte vive sob uma ditadura que persegue, tortura e mata opositores. Um regime autocrático. Não tem nada de socialista. Discordo veementemente da homenagem prestada ao ditador Kim Jong-un pelo vereador do PSOL. Não representa a opinião do partido. https://twitter.com/samiabomfim/status/1205198518933229574 

Sâmia Bomfim

@samiabomfim

Discordo veementemente da moção de louvor ao ditador norte-coreano Kim Jong Un dada pela Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro através do mandato de um parlamentar do PSOL. Não compactuamos com isso. Não há socialismo possível com violação de direitos humanos e sem liberdade.

492 pessoas estão falando sobre isso

Brizola Neto também foi às redes sociais ao fim do dia para justificar sua ação. O político afirmou que sua moção foi motivada pelo “centenário da resistência coreana contra a invasão imperialista japonesa” e complementou que seu mandato se pauta pela “diplomacia brasileira”.

“Quero divulgar que há vinte dias fizemos uma exposição sobre o centenário da resistência coreana contra a invasão imperialista japonesa. Na ocasião apresentamos uma moção ao povo coreano por sua luta no processo de paz pela unificação das Coreias e principalmente pelo fim das armas nucleares. O nosso mandato sempre pautou pela diplomacia brasileira. No momento que a nossa diplomacia brasileira está sendo achincalhada no mundo, nós temos o compromisso de promover a paz mundial e a autodeterminação dos povos”, declarou o vereador.

Leonel Brizola@leonelbrizola50

A moção concedida ao embaixador da Coreia do Norte foi motivada pelas conversas de paz estabelecidas na Península ao longo do ano de 2019.
A unificação e desnuclearização da região é de interesse global.https://bit.ly/2rImQUF 

Vídeo incorporado

1.152 pessoas estão falando sobre isso

Fonte: Veja

Share this:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.